Opinião: Sobre minha nova exposição fotográfica

Desde os tempos em que eu era professor na área de Artes Visuais eu me perguntava o porquê de todo artista querer mostrar seus trabalhos em concursos, mostras de arte e, principalmente, exposições individuais.

Fui cobrado muitas vezes por não procurar expor meu trabalho de maneira mais constante, mas este nunca foi meu objetivo. Claro que sei que do ponto de vista profissional um artista precisa fazer parte do “ArtWorld” específico da linguagem em que atua mas eu acho que produzo fotografias mais para preservar minha memória do cotidiano do que por outra coisa.

 

Baile de Carnaval em Família – Ricardo Hage, 2017

 

Manolo Vilches tem insistido para que eu faça pelo menos uma exposição por ano na Galeria da Escada, um pequeno espaço muito bem instalado na escadaria de acesso do escritório da Ponto Cursos no Sumaré, bairro de São Paulo bem próximo à Perdizes e Vila Madalena.

Confesso que neste ano não tinha vontade nenhuma de expor meus trabalhos mas os últimos acontecimentos políticos, econômicos e policiais criaram uma sensação tão grande de desânimo na “Psicosfera” do país que resolvi que um bom antídoto para essa sensação seria exibir um pouco de um olhar que filtra as mazelas do cotidiano elevando todos os nossos problemas “à potência de -1”, como diria o Manolo.

Mergulhei na minhas imagens buscando gente feliz, gente desligada dos problemas, gente que ainda consegue amar e gente de fé, além de paisagens urbanas e trabalhos típicos de “Street Photography” feitas com smartphones. Não busquei imagens que nos pudessem alienar da realidade mas sim fotografias que nos mostrassem um roteiro de sobrevivência e que nos indicasse que é possível enfrentar à crise sem ter um AVC.

 

Entardecer – Ricardo Hage, 2017

A seleção inicial conta com 90 imagens digitais ampliadas em papel fotográfico além de alguns vídeos e slideshows específicos de alguns passeios fotográficos que fiz ao longo de 2016 e 2017. No total contaremos com mais de 300 imagens captadas em várias situações e utilizando todo tipo de equipamento fotográfico.

Algumas dessas imagens vocês já viram por aqui no Blog mas a grande maioria é inédita mesmo. Em breve irei disponibilizar também um catálogo da exposição em formato digital além da comercialização de impressões Fine Art através de alguns parceiros.

Espero que essas imagens possam retratar como é possível continuar fotografando a vida cotidiana mesmo em tempos de crise.

 

Procissão de 100 anos da Aparição de Nossa Senhora de Fátima – Ricardo Hage, 2017

 

Veja aqui um slideshow do Youtube com 35 imagens selecionadas da exposição:


E para completar, publico aqui um pequeno texto que minha amiga Maria de Castro escreveu sobre a exposição:

 

É possível ter uma vida normal em meio a maior crise pela qual nossa sociedade já passou?
Seria muita alienação tentar manter a rotina numa situação de total insegurança quanto ao futuro?
Seria loucura continuar produzindo Arte em meio a tanta raiva e frustração?

Essas são as perguntas que o trabalho de Ricardo Hage levantam por meio das imagens que produziu ao longo do último ano. Tentando manter algum controle sobre seu cotidiano Ricardo usa o registro fotográfico como uma forma de amortecer as emoções geradas por uma situação política e econômica conturbada onde a própria existência da Arte, e por consequência do Artista, é posta em xeque.

Paisagens etéricas obtidas em dias de protestos tumultuados, cenas do dia a dia capturadas no calor das maiores discussões, atos de fé elevando as almas para longe dos problemas terrenos, o olhar de Ricardo procura o tempo todo aquilo que ainda nos faz humanos dentro do grande processo de brutalização que envolve todo o nosso mundo contemporâneo.

A exposição Fotografando em tempos de crise é uma oportunidade para compartilharmos um pouco desse exercício, um experimento visual que nos diz que não é preciso esquecer nossos problemas para podermos manter em nossa vida um pouco de normalidade.

Maria de Castro

 

 

 

Dados da Exposição:

Fotografando em tempos de crise – fotografias de Ricardo Hage

 

Visitação apenas com agendamento pelo fone 11 3673 0103

Apoio Cultural: Ponto Cursos, InterD e ArtePratica

 

Galeria da Escada

Endereço: Av. Prof. Alfonso Bovero, 308, Sobreloja

Fone 11 3673 0101
São Paulo, SP

www.galeriadaescada.com.br