Nova Panasonic Lumix G9 chega até a 80 Megapixels de resolução

Aqui no Brasil poucos conhecem as câmeras digitais Mirrorless da Panasonic, mas no resto do mundo a situação é bem diferente.

Talvez seja por isso que um novo lançamento da empresa Japonesa esteja tendo tanta repercussão. A Lumix G9 é uma câmera avançada com recursos profissionais e inovadores, voltada mais para o fotógrafo de imagens estáticas do que para quem faz vídeos.

Nova Panasonic Lumix G9

 

A Lumix G9 vem equipada com um sensor CMOS do tipo “Micro Four Thirds” (M43) de 20,3 Megapixels, agora sem o filtro Low Pass o que permite maior nitidez de imagem. Além de fotografar fotos a 20 Megapixels, a câmera também possui um modo de alta resolução que combina 8 exposições separadas do sensor da câmera para criar um arquivo JPEG ou RAW de 80 megapixels de alta resolução, tudo isso com sensibilidade ISO entre 200 e 25600 (expansível para de 100 a 25600).



Esse sensor é o mesmo que equipa a Panasonic GH5, voltada mais para vídeos, e é capaz de obter uma imagem de resolução máxima de 5184 x 3888 pixels. Como o sensor da G9 é o mesmo a qualidade da imagem JPEG deve ser muito boa pois, apesar de ser uma câmera orientada a vídeos, a GH5 produz ótimas imagens em comparação com câmeras da Olympus e da Fujifilm, cujos arquivos JPG tem grande reputação no mercado.

Vista do sensor de 20 Megapixels M43 da Panasonic Lumix G9

 

Segundo o site Dpreview, que está avaliando a câmera, as texturas orgânicas são renderizadas de forma mais natural, e as imagens obtidas em sensibilidade ISO média foram melhoradas na nova G9, graças a um sistema de redução de ruído mais inteligente.

A Panasonic Lumix G9 também pode filmar em resolução 4K/60p.

Um dos destaques do novo equipamento da Panasonic é a estabilização de imagem embutida no corpo da câmera (Body I.S). O novo sistema possibilita 6,5 pontos (stops) de estabilização de imagem.



É interessante notar que esse grau de eficiência na redução de tremores é alcançado mesmo que a câmera não esteja equipada como uma das lentes intercambiáveis Lumix compatíveis com o sistema Dual I.S.2.0, onde a estabilização baseada na lente também é usada. É bom lembrar que nos sistemas de redução de vibração embutidos em corpo de câmera o sistema compensa os movimentos ao agitar o sensor através dos dados captados pelos sensores giroscópicos  e pelo acelerômetro.

Segundo o site Petapixel.com, a Panasonic está anunciando a Lumix G9 como o Auto Foco de  “velocidade mais rápida do mundo” nessa classe de câmeras. A empresa diz que a câmera demora 0,04 segundos para focalizar um objeto, utilizando para isso 225 pontos AF. Os modos de Auto Foco incluem Reconhecimento de Rosto/Olho, AF de Rastreamento, AF de área e AF Pontual.

Vista superior da Panasonic Lumix G9

 

Ainda segundo a empresa o sistema é tão eficiente assim pois utiliza uma tecnologia conhecida como DFD, ou “Depth From Defocus”, que “calcula a distância ao assunto, avaliando duas imagens com diferentes níveis de nitidez, enquanto consulta instantaneamente os dados de características ópticas da lente atual”.

A Câmera possui também velocidade máxima de disparo contínuo em 20 fps (quadros por segundo), em autofoco contínuo usando o obturador eletrônico, e 60 fps com autofoco único, em imagens de resolução total. Já com o obturador mecânico, a câmera pode disparar até 9 fps com autofoco contínuo ou 12 fps com foco único. Também existe uma função que permite extrair fotos de 18 megapixels de dentro de filmagens em 6K a 30 fps, o que é muito útil para fotógrafos de eventos e esportes. Eu não entendi muito bem como isso funciona, já que os vídeos da câmera tem resolução máxima de 4K. Talvez o sistema funcione em 6K apenas para pequenos clipes, feitos para terem as imagens fixas extraídas…



O visor OLED do G9 é algo que chama a atenção pois tem resolução de 3.86 milhões de pontos e uma taxa de atualização de 120 fps, o que significa que é rica em detalhes e contraste, apresentando ampliação máxima equivalente de 0.83X (equivalente a Fullframe).

Segundo ainda o Dpreview.com, olhar através do visor da G9 faz com que seja fácil esquecermos que a câmera usa um sensor “Micro Four Thirds”, que é bem menor que um do tipo Fullframe. O site diz também que, caso a imagem no visor seja muito grande para seu gosto, a ampliação pode ser reduzida para 0.77X ou 0.7X.

Detalhe da tela e visor da Panasonic Lumix G9

 

A nova Panasonic tem tantos detalhes que eu já ia esquecendo a questão da conectividade. A G9 usa o padrão WiFI mais novo 802.11ac, ao contrário da maioria das outras câmeras. Isso significa que seu smartphone, para aproveitar ao máximo essa vantagem, também tem que ser compatível. O controle remoto da câmera pode ser feito pelo aplicativo da Panasonic, incluindo a transferência automática de imagens e cópia de configurações para uma outra G9. Uma conexão constante entre a câmera e o smartphone pode ser mantida através de Bluetooth, utilizando o WIFI como apoio.



A Panasonic LUMIX G9 estará à venda no mercado internacional à partir de janeiro de 2018, com preço sugerido de $1.699 dólares, ou seja, seu mercado alvo é sofisticado e profissional.

No Brasil é possível achar as câmeras da Panasonic em alguns poucos revendedores não oficiais. Eu mesmo só achei duas vezes uma Panasonic GH5 para venda em lojas de São Paulo, e não sei se existe assistência técnica por aqui.

Mesmo assim esse é o tipo de câmera que realmente dá vontade de provar!

Veja o vídeo promocional que a Panasonic fez para a nova câmera:

Veja também as primeiras impressões da nova câmera com o fotógrafo Bence Máté: