Foto da Semana: fogos no show de Paul McCartney

Durante o fim de semana, a Zona Oeste de São Paulo ficou tomada por letreiros avisando que no domingo um show no Allianz Parque iria atrapalhar o trânsito.

Eu, como sempre, não dei bola, e como iria ficar em casa pensei somente em meus afazeres. Por volta das 23:30 horas uma surpresa surgiu na minha janela.

Fogos de artifício tomaram conta do céu, concluindo assim o show do ex-Beatle Paul McCartney! Era isso que tumultuava o bairro naquele domingo à noite…

Corri para pegar uma câmera, qualquer câmera, e foi assim que consegui uma única foto do espetáculo luminoso.

 

Resultado do processamento inicial do arquivo RAW. A imagem ainda estava muito “crua” para o meu gosto.

 

A noite enfim acalmou e fui pensar em como usar aquela imagem. O problema é que a foto foi tirada de qualquer jeito, como uma Nikon D5500 e uma lente 18-55mm AFP “simplesinha”. A câmera foi usada em modo P, com ISO, Abertura e velocidade do obturador no automático.

Ah, e não usei tripé, mas pelo menos a câmera estava programada para fotografar em RAW.

A primeira coisa que fiz foi abrir o arquivo RAW no Photoshop e tentar, com os controles do plug-in “Adobe Photo Raw”, extrair o melhor que pudesse da imagem.



Os dados EXIF gravados no arquivo mostravam uma imagem em ISO 6400, o que para esse sensor da Nikon não é algo tão problemático. Reduzi o “ruído” no Photoshop aplicando 40% no “slider” de Luminescência. Ajustei os outros controles para conseguir mais detalhe e iluminação, mas notei que com a velocidade do obturador de 1/13 seg e a abertura de f/5.6 utilizadas na imagem, ela não estava muito nítida.

Resolvi que a melhor estratégia seria usar o filtro de vibrações do Photoshop, um recurso relativamente novo mas muito bom, e que tem quebrado muito galho em minhas imagens tremidas (nunca uso tripés, sei lá por quê…).

Processado o arquivo RAW, consegui uma imagem meio sem graça. Recortei a fotografia para conseguir uma composição melhor e até deu certo, pois a imagem de 24 Megapixels permitia isso, mas ainda não havia gostado do resultado.

 

Resultado final da imagem dos fogos de artifício. Eu não gostei, mas valeu o registro…

 

Como sou preguiçoso, resolvi usar os filtros comerciais que coleciono aos montes e já fui usando uma formula consagrada em minhas imagens:

  • o “preset” cinemático Kryptonite, no plug-in Effects 2017 da On1, para dar força para as cores e sombras;
  • o “preset” Bokeh do tipo Freelens em Plano Vertical, no plug-in Exposure X da Alien Skin, para dar um efeito de desfoque e realçar os fogos.

Chique né? Parece até que estou falando outra língua, mas depois que você vê funcionando é muito simples. Apenas alguns cliques nesses filtros e a imagem vira outra coisa!



Sinceramente não fiquei muito satisfeito, mas foi o que deu para fazer. Fotografar fogos de artifício não é uma coisa muito fácil e eu nem tive a oportunidade de obter outras imagens. Quando consegui captar a primeira, o show de Paul McCartney acabou…

Paciência, quem sabe você fique mais esperto do que eu em outras oportunidades como essa?