Mas afinal de contas o que é fotografia Fine Art?

A fotografia, dependendo da intenção e do processo criativo do fotógrafo, pode ser considerada como obra de arte e é isso que o termo Fotografia Fine Art significa.

O uso desse termo no Brasil é relativamente recente e começou a ser utilizado quando algumas empresas começaram a comercializar impressoras jato de tinta que utilizavam tinta pigmentada para conseguir a maior qualidade e durabilidade possível na impressão fotográfica.

Essa era a chamada “Impressão Fine Art” e chamou atenção dos artistas de linguagens tradicionais como a pintura e o desenho pois fabricantes conhecidos de papéis artísticos como Hahnemühle e Canson começaram a produzir papéis especiais para esse tipo de impressão, como expliquei em um post anterior aqui mesmo no Blog.

 

Montagem fotográfica sobre vistas obtidas de dentro da Casa Milà em Barcelona. Ricardo Hage, 2013

 

Por causa disso durante muito tempo alguns fotógrafos acharam que bastava uma impressão bem feita, luxuosa e duradoura para fazer com que uma imagem qualquer fosse considerada uma Fotografia Fine Art, mas a realidade não é bem essa.

Segundo a Wikipedia “Fotografia Fine Art é uma fotografia criada de acordo com a visão do artista como fotógrafo. A fotografia “de belas artes” (NT. termo ultrapassado mas ainda compreensível) contrasta com a fotografia de representação, como o fotojornalismo, que fornece um relato documental visual de assuntos e eventos específicos, literalmente re-apresentando a realidade objetiva em vez da intenção subjetiva do fotógrafo; contrasta também com a fotografia comercial ou publicitária, cujo foco principal é anunciar produtos ou serviços.”

Vamos discutir alguns desses pontos?

 

A visão do artista como fotógrafo:

  • aqui estamos falando de um artista que em algum momento utiliza da fotografia como meio das suas discussões estéticas e isso por si só já revela um grande diferencial. Um Artista Visual tem uma vocação para olhar o mundo de uma maneira diferente e para isso precisa de formação teórica e técnica o que inclui conhecimentos de História da Arte. Quem conhece o conceito renascentista de “Claro-escuro” ou as pinturas de Rembrandt nunca mais fotografa um retrato sem pensar na luz, no volume e no drama! Esse interesse artístico que pode ser sentido facilmente olhando uma imagem fotográfica ajuda a definir o que é e o que não é uma Fotografia Fine Art. Além do mais existe a questão do conceito artístico desenvolvido pelo fotógrafo que pode ser algo explicitado pelo seu discurso ou estar embutido na própria concepção da imagem.

 

Jovem assustada com a multidão no Museu do Louvre. Eu estava mais assustado que ela. Ricardo Hage, 2010

 

Diferença entre a imagem de registro e imagem artística:

  • novamente essa é uma questão que depende da intenção do fotógrafo e de sua capacidade de captar um momento com um olhar artístico. Uma imagem de fotojornalismo pode ser extremamente “crua”, sem refinamento estético-formal algum mas pode ser também uma obra de arte. Esse é o caso por exemplo do famoso retrato da “Garota Afegã de Olhos Verdes” feita por Steve McCurry em 1984 e que foi capa da revista National Geographic.

 

Garota Afegã, foto de Steve McCurry, 1984

 

Fotografar comercialmente:

  • essa é outra questão controversa pois quem disse que uma obra de arte não possa ser feita para vender? Tudo bem, é verdade que o foco principal da fotografia publicitária seja convencer, encantar ou até mesmo iludir um observador quanto as “virtudes” de um determinado produto mas talvez seja isso mesmo que no fundo toda obra de arte tenta fazer.

 

Foto de Grace Kelly para capa da revista Vogue

 

 

A Fotografia e os artistas

Além dessa discussão podemos ver no trabalho de fotógrafos reconhecidamente artísticos os elementos que definem uma Fotografia Fine Art. Esse é o caso de Man Ray, um artista Surrealista que se considerava pintor mas que é mais conhecido por suas fotografias.

 

Glass Tears, foto de Man Ray, 1932

 

Henri Cartier-Bresson se entendia como um “fotógrafo humanista” cujo trabalho pioneiro no campo da Fotografia Urbana (Street Photography) é considerado de alto valor artístico.

 

Bicicleta, de Henri Cartier-Bresson

 

No Brasil um fotógrafo que produz imagens de profunda beleza e teor simbólico é Carlos Moreira cujas imagens da cidade de São Paulo já mereceram muitas exposições e circulam dentro do universo artístico.

Um caso interessante é o do brasileiro Sebastião Salgado, talvez o fotógrafo internacional mais conhecido do momento. Ele se vê como um jornalista e ativista chegando a achar graça quando alguém pretende discutir a gama de cinzas em suas imagens em preto e branco. Salgado aparenta não ter interesse nas questões formais utilizadas em suas fotos pois seus foco é a representação. É preciso dizer no entanto que mesmo que esse não seja seu interesse principal suas imagens são perfeitos exemplos do que é uma Fotografia Fine Art.

 

Baleia, foto publicada no livro Genesis de Sebastião Salgado

 

O mercado de arte também acaba definindo muito do que consideramos Fotografia Fine Art. A feira SP-Arte Foto em sua última edição exibiu mais de 1000 trabalhos fotográficos apresentados por 32 Galerias especializadas. Na mostra podíamos encontrar trabalhos produzidos por todo tipo de fotógrafo ou artistas visuais e que transitavam entre a Arte Contemporânea e a representação clássica.

A Fotografia Fine Art é um campo extenso da produção cultural humana mas para quem pretende enveredar por um trabalho fotográfico deste tipo um alerta: para ser artista não basta ter vontade, é preciso aliar um conhecimento técnico, teórico e histórico profundo na busca daquela imagem que vai ficar marcada em nossas mentes e corações.

Veja também essa matéria aqui no Blog sobre a Fotografia Digital como Arte.

Conheça também o Fine Art Photography Awards.

Veja também o vídeo do canal The Art of Photography sobre o assunto.

Obs.: O video está em inglês mas como sempre indicamos você pode ativar as legendas automáticas em Português, elas podem ser de muita ajuda para quem não domina essa língua. Note porém que alguns termos técnicos não são bem traduzidos e que a fala do apresentador é muito rápida dificultando a compreensão.