Dicas para fotografar sem usar um tripé

Tem gente que consegue tremer uma fotografia até debaixo do sol mais escaldante, coisa que eu acho quase impossível. Quanto maior o nível de iluminação de uma cena mais rápido o obturador de uma câmera pode disparar fazendo com que a imagem fique congelada até mesmo em milésimos de segundo.

Para aqueles que estão sempre dando uma “tremidinha” a mais em suas fotos resolvi dar algumas dicas sobre o que se pode fazer para atenuar a situação.

 

  • Segure a câmera ou smartphone com firmeza apoiando os cotovelos em seu tronco com as pernas levemente abertas. Parece uma dica boba mas funciona muito bem pois você é obrigado a manter uma situação estática que faz com que a câmera trema menos quando o disparador é acionado. Lembre-se de posicionar seu dedo sobre a tela ou disparador antes de assumir a posição estável para não perder a concentração.

 

Foto obtida com smartphone sem flash e apoio dos cotovelos pressionados contra o tronco do fotógrafo – Ricardo Hage, 2017

 

  • Apoie a câmera pressionando em alguma superfície lateral. Essa dica é boa quando estamos próximos a uma parede, porta ou janela. Pressione a câmera nessa superfície mantendo-a estável e acione o disparador. Novamente lembre-se de posicionar seu dedo sobre a tela ou disparador antes de assumir a posição estável para não perder a concentração.

 

Foto noturna em câmera convencional analógica obtida com apoio lateral de uma janela – Ricardo Hage, 2017

 

  • Se o objeto da cena estiver em movimento, caso por exemplo de um automóvel se movendo á noite, fique numa posição firme, aperte o disparador e tente seguir seu movimento pelo tempo que o obturador ficar aberto. Com a prática você pode se surpreender com os resultados obtidos.

 

Exemplo de foto com a objetiva seguindo os sujeitos da cena. O rapaz no centro está mais nítido – Ricardo Hage, 2017

 

  • Utilize a maior sensibilidade ISO possível. Caso sua câmera produza muito ruído em sensibilidades altas sempre é possível atenuar o defeito no Photoshop. Também é possível usar o defeito como efeito em fotografias mais artísticas explorando a qualidade estética que o ruído ou granulação pode dar a uma imagem.

 

Imagem obtida com ISO 800 em câmera compacta. A granulação da foto foi atenuada em software – Ricardo Hage, 2017

 

  • Utilize a maior abertura do diafragma possível mas cuidado com o foco. Quanto maior a abertura de um diafragma maior o risco de não focarmos direito naquilo que interessa em uma foto. Mesmo alguns smartphones tem grandes aberturas máximas, caso do Galaxy S7 com abertura de f1.7 portanto a dica também vale para esses equipamentos. Um diafragma muito aberto permite que mais luz entre no sensor (ou filme) fazendo com que a câmera possa disparar mais rápido e evitar tremores.

 

Diafragma ou íris aberta em uma lente intercambiável

 

  • Utilize o disparador programado (Self-Timer). A maior parte das câmeras digitais e os smartphones tem um modo no qual você programa para que a foto seja tirada alguns segundos depois de acionar o disparador. Além de servir para tirar selfies o uso do disparo programado pode resolver o problema da vibração produzida pelo seu próprio dedo ao acionar o botão. Apoie-se firmemente e acione o disparador com uma programação de 2 a 10 segundos e aguarde sem respirar (se puder).

 

Tela do self-timer de uma Canon T5i

 

  • Utilize um controle remoto. Muitas câmeras tem como acessório um controle remoto sem fio que substituiu o antigo cabo disparador mecânico atarrachado ao disparador da câmera. Hoje em dia até mesmo aplicativos de smartphone fazem essa função controlando todas as funções de câmera de uma distância segura por WIFI. Apoie sua câmera em alguma superfície e dispare com segurança. Essa dica também é útil para quem apoia câmeras com tripé sobre superfícies flutuantes como os carpetes de madeira que podem transmitir a vibração de pessoas andando em volta do ambiente ou transformar até mesmo sons ambientes em vibração no piso.

 

Aplicativo de controle de câmera

 

  • Use o comando de voz de alguns smartphones. Celulares “topo de linha” tem comando de voz para disparar a câmera. Dependendo do software você pode escolher uma palavra chave ou usar uma pré programada. Na linha Galaxy você pode usar falar “disparar” para acionar a câmera mas é bom que você tenha uma voz bem reconhecível. Comigo quase nunca funciona.

Agora, se a “tremidinha” faz parte do seu estilo fotográfico esqueça essa matéria e seja feliz…