Uma câmera para viagens: Lumix DMC-LX10

Um amigo me perguntou outro dia sobre uma boa câmera para fotografar viagens já que ele não gostava muito do resultado de seu iPhone.

Na mesma hora lembrei da série LX da Panasonic. São câmeras de bolso voltadas para entusiastas que desejam a melhor qualidade de imagem possível em um equipamento pequeno. Eu mesmo já utilizei uma câmera assim em algumas viagens e realmente elas não deixam nada a desejar.

A nova Lumix DMC-LX10 (LX-15 em alguns mercados) acabou de ser lançada e o site Dpreview fez uma análise em profundidade do equipamento. Como a matéria está em inglês fiz um pequeno resumo da capacidade da câmera da Panasonic.

Principais especificações:

  • sensor com 20MP de 1 polegada do tipo CMOS
  • lente zoom de 24-72mm ( equivalente em 35mm) com abertura F1.4-2.8
  • disparo contínuo de 7 quadros por segundo com autofoco
  • video 4K com até 30p
  • Estabilização de imagem de 5-eixos, com estabilização digital e ótica simultânea em video
  • Modo de foto em 4K
  • Modo de Foco pós disparo

A LX-10 é uma resposta direta as câmeras com grandes sensores da Sony, já que sensores de 1 polegada são incomuns para câmeras de bolso. O nível de ruído cai bastante e o alcance dinâmico (captação de detalhes nas sombras) aumenta muito com sensores maiores. A lente é muito luminosa e aliada ao ISO máximo de 25600 e captação em RAW pode possibilitar boas fotografias em baixa iluminação.

Em sua análise o site Dpreview chega as seguintes conclusões:

Prós

  • Excelente qualidade de imagem, especialmente em Raw
  • Impressionante vídeo 4K
  • lente zoom equivalente a 24-72mm e F1.4-2.8 cobre um intervalo útil
  • Comportamento rápido e responsivo
  • O sistema Defocus AF resulta em boa profundidade de campo e acompanhamento do assunto
  • Excelente interface de toque na tela
  • Interface personalizável, incluindo botões físicos e touchscreen
  • A estabilização de imagem é útil especialmente ao gravar vídeos manuais
  • Carregamento da bateria pelo USB

Contras

  • Redução de ruído de imagem muito agressiva nas configurações padrão
  • Limites pequenos de buffer de memória
  • O mostrador de controle superior não é facilmente personalizável; O modo padrão fica na Prioridade de Abertura
  • Possui um anel de abertura potencialmente confuso
  • O mostrador dianteiro ao redor da lente é clicável e muito fácil de ser acionado por acidente
  • Algumas opções relevantes do menu desaparecem no modo de vídeo
  • A lente atinge abertura F2,8 no equivalente a 31 mm, o que faz com possamos perder algumas zonas de foco
  • O projeto do corpo da câmera é muito escorregadio
  • Auto ISO pouco sofisticado o que obriga a usar ISOs altos para evitar tremores na imagem
  • Não existe ISO automático no modo de vídeo
  • Não há compensação de exposição no modo Manual ao usar Auto ISO
  • A falta de filtro ND dificulta o uso de velocidades de obturação lentas em vídeo
  • O AF em vídeo não é muito preciso
  • A estabilização de imagem em vídeo 1080p é pobre em comparação com as câmeras concorrentes
  • A falta de carregador externo torna difícil manter uma segunda bateria carregada

Mesmo com tantos contras o site Dpreview diz que a câmera é competitiva e produz uma imagem final muito boa.

Se você quer ver alguns exemplos de fotos da câmera e ler a análise completa (em inglês) clique aqui.

E lembre-se que no Brasil não há distribuição das câmeras da Panasonic por meios oficiais (nem nos não oficiais) então se o que você quer é uma câmera para viagens então aproveite para viajar e compre uma lá fora.