Fotografando o tempo chuvoso

A temporada de chuvas está apenas começando no Sudeste do Brasil e as oportunidades para boas fotografias já estão bombando.

Até mesmo para quem só tem um celular como equipamento fotográfico os raios, a luz do sol em contraste com nuvens carregadas e o reflexo da água que fica na vegetação são motivo para imagens bonitas e memoráveis.

Vejamos o que podemos captar e quais cuidados devemos ter.

 

Fotografando através de uma janela molhada:

Fotografando a chuva através da janela do carro - Foto Ricardo Hage
Fotografando a chuva através da janela do carro em Araraquara, SP – Foto Ricardo Hage

As vezes estamos por detrás de janelas quando percebemos a oportunidade de uma foto da chuva. O primeiro cuidado e tentar focar no objeto desejado e não no vidro molhado que nos protege. Dependendo do equipamento, um celular por exemplo, você só terá o foco automático para usar.

Tente balançar a câmera um pouco para os lados para ver se você consegue enganar a máquina a focar no plano de fora e não no vidro, as vezes dá certo. Se você quer fotografar um objeto que ainda não passou pelo seu campo de atenção, uma pessoa ou um carro, tente focar alguns segundos antes em algo que esteja um pouco além do plano a ser focalizado, e só dispare quando o objeto que você quer estiver no seu campo de visão.

Se você está usando uma câmera mais avançada use o foco manual. Você também pode deixar a distância de foco pré selecionada para facilitar o disparo. Nesses equipamentos abuse um pouco do ISO, aumentando a sensibilidade para conseguir disparos mais rápidos pois é comum não termos muita iluminação na chuva.

Para quem usa apps como o Instagram vale a pena aplicar um filtro. Já quem usa o Lightroom ou o Photoshop pode melhorar a imagem usando o filtro RAW (mesmo sobre um JPG) e também aumentar a nitidez.

 

Fotografando o contraste entre sol e chuva:

Fotografando o contraste entre sol e chuva
Fotografando o contraste entre sol e chuva sobre Perdizes, São Paulo – Foto Ricardo Hage

Nesse caso pense sempre nas possibilidades que o contraste entre áreas escuras e iluminadas possibilitam. Câmeras com sensores menores geralmente não captam muito bem os detalhes em áreas escuras.

Alguns celulares tem o modo HDR ( High Dynamic Range ou Alto Alcance Dinâmico) que pode ajudar a revelar e melhorar esse tipo de foto. Câmeras maiores tem outros recursos dependendo da marca e do sensor.

Nos equipamentos APS-C mais comuns pode-se gravar a imagem no formato RAW para que, depois de processado em algum software a fotografia revele maiores detalhes das zonas extremas de claro e escuro. O sensor APS-C X-Trans da Fujifilm chega a rivalizar com os sensores Fullframe das outras marcas nesse quesito.

Caso você não consiga revelar em suas imagens os detalhes escondidos dentro do alto contraste explore as possibilidades estéticas do claro/escuro.

Os artistas renascentistas já faziam isso com grande maestria.

 

 

 

Fotografando raios:

Fotografando raios
Fotografando raios sobre o bairro do Limão, São Paulo – Foto Ricardo Hage

Esse é o maior desejo de todo fotógrafo, captar o grande espetáculo da natureza que é uma descarga atmosférica. Bem, a coisa não é muito fácil. Você pode ter muita sorte de estar com a mão no disparador no momento que o raio brilha, e aí vale qualquer equipamento (até mesmo um celular) mas no geral as fotos mais sofisticadas desse fenômeno são fruto de projetos especiais bem estruturados. No mínimo deve haver um planejamento que vai desde o estudo da previsão meteorológica até a escolha do lugar em que vão ser feitas as fotos.

O ideal é usar uma câmera com alta capacidade de disparo e previsão para tirar milhares de fotos antes de conseguir captar o relâmpago em alguma delas. A maneira mais fácil é focar no infinito usando uma abertura média (f9 a f11) e sensibilidade ISO baixa. Tente regular a câmera para disparos de 1:30 a 1:125 de segundo na tentativa não só de captar o raio mas também obter os efeitos de iluminação nas nuvens e paisagem. Talvez você tenha que aumentar ainda mais o tempo de exposição. Em fotos noturnas lembre-se que um raio pode iluminar a paisagem como se fosse dia, então não conte muito com a falta de luz.

Raio entre nuvens por trás das torres do bairro do Sumaré, São Paulo - Foto Ricardo Hage
Raio entre nuvens por trás das torres do bairro do Sumaré, São Paulo – Foto Ricardo Hage

Alguns fotógrafos criam projetos especiais onde câmeras disparadas por sensores especiais são colocadas em vários lugares reconhecidos como sendo de alta probabilidade de queda de raios. Bem, assim é mais fácil, você seleciona a paisagem e a composição que você quer e a câmera só dispara quando o relâmpago aparece.

Pelo menos no meu caso eu dependo mais da sorte mesmo.

 

Fotografando Arco-Íris

Fotografando Arco-Íris
Arco-Íris sobre São Paulo – Foto Ricardo Hage

Um dos fenômenos mais bonitos em tempos chuvosos é o do arco-íris. A luz decomposta pelas gotas de chuva cria um show de cores que transforma a paisagem.

Captar esse efeito não é tão difícil quanto parece no entanto algumas vezes os primeiros resultados são frustrantes.

Arco-íris sobre Santana, São Paulo - Foto Ricardo Hage
Arco-íris sobre Santana, São Paulo – Foto Ricardo Hage

No caso de celulares vale usar o recurso do HDR.

Lembre-se também que as lentes dos smartphones tem quase sempre uma abertura de grande angular então tente compor o arco-íris com a paisagem, vai ajudar bastante.

Detalhar o arco-íris não é fácil mesmo usando câmeras e lentes de boa qualidade. Lembre-se que o fenômeno é efêmero e muda a toda a hora.

As vezes demoramos muito para ajustar o equipamento e o arco-íris já sumiu.

É melhor fotografar à vontade e trabalhar a imagem em apps ou softwares mais sofisticados, tentando assim extrair o melhor daquele momento.

 

Fotografando detalhes da água da chuva

Gotas de chuva caindo na laje - Foto Ricardo Hage
Gotas de chuva caindo na laje – Foto Ricardo Hage

Superfícies molhadas, lâminas de água e os efeitos que a névoa cria podem ser ótimos motivos para fotografias artísticas. As principais questões para esse tipo de fotografia não são relacionadas tanto à técnica mas sim à sensibilidade do fotógrafo.

Claro que não saber como captar uma imagem que queremos é muito ruim mas difícil mesmo é não perceber que um pequeno momento de poesia visual está passando por você.

Nesse caso vale mais um olhar atento do que o cuidadoso preparo da câmera. Muitas de minhas melhores fotografias nesse tipo de clima foram tiradas com celulares ou câmeras compactas. O que mais vale aqui é disparar o obturador do que ficar pensando na composição.

Depois que você se familiarizar com um olhar mais apurado em relação ao clima chuvoso questões como reduzir o tempo de exposição para capturar o movimento de uma gota d’água caindo em uma poça ou fechar a abertura para melhor revelar os detalhes de uma paisagem esbranquiçada pela neve são facilmente resolvidas.

 

Fotografar em tempo chuvoso pode não parecer muito fácil mas não desista, com a prática você vai conseguir resultados surpreendentes.